sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Cordel de Marcos Mairton




O MISTÉRIO DOS MONÓLITOS DE QUIXADÁ
(Encontro de um poeta aventureiro com um menino sertanejo  que falava sobre discos voadores)

Essa história aconteceu
No sertão do Ceará
No município que tem
O nome de Quixadá.
É um caso interessante,
Uma história intrigante
Que eu mesmo pude viver.
Fatos que nunca esqueci
E por isso resolvi
Esse cordel escrever.


Quixadá é uma cidade
Onde o povo hospitaleiro
Tem o coração aberto
Pra acolher o estrangeiro.
Mas, em volta da cidade,
Há, em grande quantidade,
Pedras enormes, gigantes.
Onde, em noites muito escuras,
Aparecem criaturas
E seres impressionantes.


Dizem também que acontecem
Fatos por demais insólitos,
Nessas pedras conhecidas
Pelo nome de monólitos.
Grandes blocos de granito
Fazem o lugar bonito
Atraindo as atenções,
E quem passa ali por perto
Chega a ficar boquiaberto
Com aquelas formações.


Tem a “Cabeça da Cobra”
E a “Pedra da Caveira”,
A pedra “Galinha Choca”,
E a “Pedra Gemedeira”.
Verdadeiros monumentos
Açoitados pelos ventos
E pelo sol do sertão,
Mas, quem chega muito perto
Daquele lugar deserto
Pode ter outra visão.


No meio daquelas pedras
Tem onça e tem siriema,
Muita cobra cascavel,
Mas isso não é problema.
O problema mesmo sério
Na verdade é um mistério
De difícil solução:
Muito “cabra” destemido
Que vai lá, volta corrido.
Não quer ir de novo não.


E quando o povo pergunta
O que foi que o “cabra” viu,
Ele não sabe explicar.
Diz apenas que sentiu
Um cheiro de cão queimado,
Ouviu um grito abafado
E um gemido de agonia.
Teve um rapaz de Arneiroz
Que voltou de lá sem voz,
Não fala até hoje em dia.


Pois eu também fui pra lá
Procurar a explicação
Para existir tanta história
De encanto e assombração.
Meu pensamento era entrar
Pela mata e me embrenhar,
E ver o que acontecia,
Que tanto cabra valente
Regressava tão demente
Do meio da pedraria.


Ao chegar a Quixadá,
Instalei-me em um hotel
E pensei: “Aqui eu vou
Além de escrever cordel,
Praticar muito alpinismo.
Em tudo quanto é abismo,
Vou andar pela beirada,
E qualquer coisa medonha
Que por acaso se exponha,
Vou trazer engaiolada”.


Então, no dia seguinte,
Fui tomando informações
E assim fui começando
Minhas investigações.
Um rapaz logo mostrava
Uma estrada que levava
A um lugar onde diziam
Que se ouviam uns ruídos,
Uns barulhos, uns gemidos
Sem saber de onde partiam.


Então, sozinho em meu carro,
No meio da madrugada,
Peguei uma estradinha
Estreita, mas bem calçada,
E fui me distanciando,
Da cidade me afastando,
Atento a tudo o que havia
Mas, o tempo foi correndo
E logo fui percebendo
Que nada apareceria.


Achei tudo tão normal
Que fiquei desconfiado
Que por um qualquer motivo
Eu havia me enganado.
E, assim, meio contrafeito,
Segui o caminho estreito
Mas, procurando um lugar
Onde o carro eu manobrasse,
De novo me orientasse,
E pudesse retornar.


Foi então que eu avistei,
Bem do meu lado direito,
Uma capoeira aberta,
E pensei: “Está perfeito.
Entro nessa capoeira,
Depois giro a dianteira
Do meu carro para a estrada,
Volto assim para o hotel
Pois já foi pro beleléu
Essa minha empreitada”.


Mas, para a minha surpresa,
Quando entrei na capoeira,
O meu carro perdeu força,
Pediu segunda e primeira,
O motor foi apagando,
O carro já foi parando,
E, de repente, eu estava,
Naquele lugar deserto,
Sem uma casa por perto,
Pois ali ninguém morava.


Eram cinco da manhã,
O Sol nem tinha nascido.
Não estava muito escuro,
Mas não tinha amanhecido.
Então eu desembarquei
Do meu carro e procurei
Alguém pra pedir ajuda,
Mas, pensei, contrariado,
“Por aqui, é complicado
Achar alguém me acuda”.


Mas, quando eu imaginei
Que estava ali sozinho,
Ouvi sons que me diziam
Que alguém vinha a caminho.
Um chocalho balançando
E uma voz aboiando
Foram o suficiente
Para que eu, ao ouvir,
Pudesse já concluir
Que por ali vinha gente.


Então fiquei esperando
Que aparecesse um vaqueiro
Conduzindo seu rebanho
Ou algum boi mandingueiro,
Mas, quem da mata saiu
E em frente a mim surgiu
Foi apenas um menino
Em um jumento montado,
Com o cabelo assanhado,
E o corpo magro, franzino.


“Bom dia, meu camarada”,
Falou-me com simpatia,
Como se fosse um amigo
Que há muito me conhecia.
Respondi ao cumprimento
E ele disse: “No momento,
É preciso paciência.
O motor não tem defeito
Mas está sob o efeito
De uma forte interferência”.


Fiquei surpreso com o jeito
Como o menino falou,
Porque eu nem tinha dito
Que o meu carro apagou.
E, ao falar de “interferência”
Teria ele ciência
Do que estava a me dizer?
Pois o seu vocabulário
Certamente era precário,
Não tinha como não ser.


Então eu pensei comigo:
“Ele está de gozação.
Tinha que me aparecer
Um menino brincalhão?”
E ele, na mesma hora:
“Se quiser eu vou embora,
Mas não sou de brincadeira.
A interferência quem gera
É a nave que me espera
Lá na Pedra da Caveira”.


Fiquei muito impressionado
Ao ver tanta fantasia
Que aquela pobre criança
Em sua cabeça trazia.
Então resolvi deixar
Ele comigo brincar,
De que era um viajante
Que estava ali a passeio
E que em sua nave veio
De algum planeta distante.


Então perguntei a ele:
“O que o trouxe para cá?
E o que anda fazendo
Aqui pelo Quixadá?
Será alguma pesquisa
Que aqui se realiza
E nós não temos noção?
Será que estão planejando,
Talvez já se preparando
Para uma grande invasão?”.


Ele ouviu minhas perguntas
Com jeito sério e atento.
E só então apeou
De cima do seu jumento.
Aproximou-se de mim
E já foi dizendo assim:
“Esteja despreocupado.
Em invasão não pensamos
Pois daqui nos retiramos
Há muito tempo passado”.


“Há alguns milhões de anos –
De anos daqui, terrestres –
Neste planeta só tinha
Plantas e animais silvestres.
Mas, no meu mundo já havia
Muitas coisas que, hoje em dia,
Estão em suas cidades:
Ruas, carros e avenidas
Lojas, comércio e bebidas
E outras facilidades”.


“Mas também tinha ladrões,
Muita droga e violência.
Apesar do grande avanço
Que tivemos na ciência,
Ninguém aguentava mais
Os problemas sociais,
Era grande a comoção.
Foi quando a Terra encontramos
E aqui imaginamos
Ter achado a solução.”


“Pois aqui no seu planeta
Encontramos condições
Para abrigar os bandidos
Que havia em nossas prisões.
Eles vindo para cá
A gente ficava lá
Num lugar sem sofrimento.
E eles que se virassem
E aqui organizassem
O seu mundo violento.”


“Foram logo construídos
Locais para abrigar
Os bandidos que viessem
Por aqui se acomodar,
Pois não era intenção
Do governo de então
Que eles viessem morrer.
Mas, num mundo tão selvagem,
Era grande a desvantagem
Para alguém sobreviver.”


“E assim nosso planeta
Aos poucos fomos limpando,
Prendendo nossos bandidos
E para a Terra mandando.
E aqui eles moravam
Nos abrigos que estavam
No planeta construídos,
Mas o plano não vingou
e deles nada restou,
Foram todos destruídos.”


A essa altura da história
Eu ouvia muito atento,
Pois nunca vi um menino
Demonstrar tanto talento
Para criar um enredo.
Ainda era bem cedo,
E eu pedi: “Me conte mais,
O que houve com os bandidos?
Será que foram comidos
Aqui pelos animais?”


Ele disse: “Nada disso.
Eles aqui se espalharam,
Com um tipo de macaco
Milhares se acasalaram
E foi desse cruzamento
Que começou o tormento
Dos próprios prisioneiros,
Pois a espécie mestiça
Era muito irritadiça
E atacava os estrangeiros”.


“Essa espécie combinava,
Força com inteligência,
E tomava os abrigos
Esbanjando violência.
E as naves que aqui pousavam
Também muito se arriscavam
A terminar destruídas,
Ou, até pior, tomadas
E depois utilizadas
Contra nossas próprias vidas”.


“Foi em uma dessas naves
Que um grupo, certa vez,
Atacou outros planetas
E grande clamor se fez.
Você não tem nem noção
Do poder de destruição
De uma só dessas naves.
Mas, saiba que os resultados
Nos planetas atacados
Foram realmente graves”.


“Com tantas vidas perdidas
Nos planetas atacados,
Vieram os contra-ataques 
Sobre a Terra então lançados.
No final de tanta guerra
Só o que restou na Terra
Foi morte, destruição
E escombros fumegantes
Dos prédios, que tempos antes
Serviram de habitação”.


“Por isso é que estão aqui
Essas pedras diferentes.
Elas são o que restou
De construções existentes
Quando a Terra foi usada
Como prisão isolada
Há bem muito tempo atrás.
O fracasso foi total
Mas demonstra todo o mal
Que a violência nos traz”.


“Mas, você me perguntou
O que faço em Quixadá.
Então eu digo a razão
Que me trouxe para cá.
Venho só para estudar
E depois poder contar
Essa história ao meu povo,
Pra que a gente não cometa
O erro em outro planeta
E faça tudo de novo”.


Nessa hora percebi
Que a história terminou
E fiquei impressionado
Com tudo o que ele falou.
Mas, pra não ficar calado,
Eu achei apropriado
Mostrar minha simpatia.
Dizer que ele agradou
Com a história que contou
Tão cheia de fantasia.


Olhei para ele e disse:
“Quem te viu e quem te vê,
Pensei ter visto um menino
E encontrei com um E.T.
Um E.T. muito sabido,
Mas que é tão parecido
Com qualquer outra criança
Que eu jamais perceberia,
Por isso, não temeria
Pela minha segurança”.


“Foi por causa disso mesmo
Que eu lhe apareci assim.
Para você não ter medo”.
Foi o que ele disse a mim.
“Pois toda vez que eu esqueço
E para alguém apareço
Em minha forma real,
A pessoa assustada
Sai daqui desesperada,
Nem sei se volta ao normal”.


Eu disse: “Então é por isso,
Que tanto “cabra” valente
Entra nessa mata são
E quando sai é doente.
Mas o povo tem me dito
Que aqui se ouve um grito,
Um gemido de agonia.
E um cheiro de cão queimado
Se espalha por todo lado
No meio da pedraria”.


Ele disse: “Essa questão
É bem fácil de explicar.
É o reator da nave
Quando está a funcionar.
Pois pela parte de trás
Ele solta mesmo um gás
Que acaba parecendo
Couro de bode queimando,
E o som que vai formando
É igual a alguém gemendo”.


O menino era esperto,
Tive que reconhecer.
Pra tudo o que eu perguntava 
Ele tinha o que dizer.
Estendi-lhe a minha mão
E lhe disse: “Meu irmão,
Você é mesmo um artista.
Mesmo com tão pouca idade
Com tanta criatividade
Devia ser cordelista”.


Ele disse: “É uma pena
Você não acreditar
Que eu vim aqui, realmente,
Em uma nave a voar.
Não vou ficar chateado
Mas já estou atrasado
E preciso ir embora.
Seu carro vai funcionar
Quando a nave decolar
E for pelo espaço afora”.


O menino disse isso,
Deu dois passos para trás
E seu corpo se acendeu
Como um lampião de gás.
Foi descolando do chão
Parecia um balão
Quando é tempo de fogueira.
Até que saiu voando
E no ar se encaminhando
Para a “Pedra da Caveira”.


Mas, antes de ele ir embora,
Quando ele ainda estava,
Dois metros à minha frente,
E seu corpo levitava
Eu ainda lhe falei:
“Só agora acreditei.
Me desculpe, seu E.T.
Mas, se o senhor voltar
Quero muito lhe encontrar
E conversar com você”.


Ele então me respondeu
Com bastante educação:
“Com prazer eu estarei
À sua disposição.
Você pode me encontrar
Aqui, bem neste lugar,
Se não tiver outros planos.
Voltarei dentro de um mês,
Que, no tempo de vocês,
São noventa e sete anos”.

Um comentário:

  1. Grande Marcos Mairton,
    que maravilha... Belo trabalho!
    Abraços!

    Paulo Barja

    ResponderExcluir