quarta-feira, 29 de agosto de 2007

O cordelista imortal de Mossoró




A POESIA DE ANTONIO FRANCISCO
Em qualquer lista que reúna os grandes nomes da Literatura de Cordel, especialmente os que estão em atividade, não pode faltar o de Antônio Francisco. Mossoroense, Antonio Francisdo, nasceu a 21 de outubro de 1949, num bairro chamado Lagoa do Mato. É poeta popular, xilógrafo, compositor e ainda trabalha confeccionando placas. Um dado interessante é que, só após os quarenta anos, ele se dedicou ao ato de escrever. No dia 15 de maio de 2006 tomou posse na Academia Brasileira de Literatura e Cordel - ABLC, na cadeira de número 15, patronímica do poeta cearense Patativa do Assaré. É autor dos poemas, “Meu Sonho”, “O Guarda-Chuva de Prata”, “Os Sete Constituintes” ou “Os Animais têm Razão”, “Aquela Dose de Amor”, “A Oitava Maravilha” ou a “Lenda de Cafuné”, “A Cidade dos Cegos” ou “História de Pescador”, “As Seis Moedas de Ouro”, “A Arca de Noé”, “Do Outro Lado do Véu”, “Confusão no Cemitério”, “O Ataque de Mossoró ao Bando de Lampião”, “A Lenda da Ilha Amarela”, “Um Conto bem Contado”, “A Casa que a Fome Mora”, “Um Bairro Chamado Lagoa do Mato”, “O Duelo de Bangala”, “O Feiticeiro do Sal”, “Uma Carrada de Gente”, “No Topo da Vaidade”, “Uma Carta para a Alma de Pero Vaz de Caminha”, “Uma Esmola de Sombra”, “O Rio de Mossoró e as Lágrimas que eu Derramei”, “O Lado Bom da Preguiça”, “A Resposta” e “De Calça Curta e Chinela”, editadas em folhetos ou em seus livros “Dez Cordéis num Cordel Só”, “Por Motivo de Versos” e “Veredas de Sombras”, editados pela Queima Bucha.
Destaco, a seguir, a obra:

OS SETE CONSTITUINTES


Quem já passou no sertão
E viu o solo rachado,
A caatinga cor de cinza,
Duvido não ter parado
Pra ficar olhando o verde
Do juazeiro copado.

E sair dali pensando:
Como pode a natureza
Num clima tão quente e seco,
Numa terra indefesa
Com tanta adversidade
Criar tamanha beleza.

O juazeiro, seu moço,
É pra nós a resistência,
A força, a garra e a saga,
O grito de independência
Do sertanejo que luta
Na frente da emergência.

Nos seus galhos se agasalham
Do periquito ao cancão.
É hotel do retirante
Que anda de pé no chão,
O general da caatinga
E o vigia do sertão.

E foi debaixo de um deles
Que eu vi um porco falando,
Um cachorro e uma cobra
E um burro reclamando,
Um rato e um morcego
E uma vaca escutando.

Isso já faz tanto tempo
Que eu nem me lembro mais
Se foi pra lá de Fortim,
Se foi pra cá de Cristais,
Eu só me lembro direito
Do que disse os animais.

Eu vinha de Canindé
Com sono e muito cansado,
Quando vi perto da estrada
Um juazeiro copado.
Subi, armei minha rede
E fiquei ali deitado.

Como a noite estava linda,
Procurei ver o cruzeiro,
Mas, cansado como estava,
Peguei no sono ligeiro.
Só acordei com uns gritos
Debaixo do juazeiro.

Quando eu olhei para baixo
Eu vi um porco falando,
Um cachorro e uma cobra
E um burro reclamando,
Um rato e um morcego
E uma vaca escutando.

O porco dizia assim:
– “Pelas barbas do capeta!
Se nós ficarmos parados
A coisa vai ficar preta...
Do jeito que o homem vai,
Vai acabar o planeta.

Já sujaram os sete mares
Do Atlântico ao mar Egeu,
As florestas estão capengas,
Os rios da cor de breu
E ainda por cima dizem
Que o seboso sou eu.

Os bichos bateram palmas,
O porco deu com a mão,
O rato se levantou
E disse: – “Prestem atenção,
Eu também já não suporto
Ser chamado de ladrão.

O homem, sim, mente e rouba,
Vende a honra, compra o nome.
Nós só pegamos a sobra
Daquilo que ele come
E somente o necessário
Pra saciar nossa fome.”

Palmas, gritos e assovios
Ecoaram na floresta,
A vaca se levantou
E disse franzindo a testa:
– “Eu convivo com o homem,
Mas sei que ele não presta.

É um mal-agradecido,
Orgulhoso, inconsciente.
É doido e se faz de cego,
Não sente o que a gente sente,
E quando nasce e tomando
A pulso o leite da gente.

Entre aplausos e gritos,
A cobra se levantou,
Ficou na ponta do rabo
E disse: – “Também eu sou
Perseguida pelo homem
Pra todo canto que vou.

Pra vocês o homem é ruim,
Mas pra nós ele é cruel.
Mata a cobra, tira o couro,
Come a carne, estoura o fel,
Descarrega todo o ódio
Em cima da cascavel.

É certo, eu tenho veneno,
Mas nunca fiz um canhão.
E entre mim e o homem,
Há uma contradição
O meu veneno é na presa,
O dele no coração.

Entre os venenos do homem,
O meu se perde na sobra...
Numa guerra o homem mata
Centenas numa manobra,
Inda tem cego que diz:
Eu tenho medo de cobra.”

A cobra inda quis falar,
Mas, de repente, um esturro.
É que o rato, pulando,
Pisou no rabo do burro
E o burro partiu pra cima
Do rato pra dar-lhe um murro.

Mas, o morcego notando
Que ia acabar a paz,
Pulou na frente do burro
E disse: – “Calma, rapaz!...
Baixe a guarda, abra o casco,
Não faça o que o homem faz.”

O burro pediu desculpas
E disse: – “Muito obrigado,
Me perdoe se fui grosseiro,
É que eu ando estressado
De tanto apanhar do homem
Sem nunca ter revidado.”

O rato disse: – “Seu burro,
Você sofre porque quer.
Tem força por quatro homens,
Da carroça é o chofer...
Sabe dar coice e morder,
Só apanha se quiser.”

O burro disse: – “Eu sei
Que sou melhor do que ele.
Mas se eu morder o homem
Ou se eu der um coice nele
É mesmo que estar trocando
O meu juízo no dele.

Os bichos todos gritaram:
– “Burro, burro... muito bem!”
O burro disse: – “Obrigado,
Mas aqui ainda tem
O cachorro e o morcego
Que querem falar também.”

O cachorro disse: – “Amigos,
Todos vocês têm razão...
O homem é um quase nada
Rodando na contramão,
Um quebra-cabeça humano
Sem prumo e sem direção.

Eu nunca vou entender
Por que o homem é assim:
Se odeiam, fazem guerra
E tudo o quanto é ruim
E a vacina da raiva
Em vez deles, dão em mim.”

Os bichos bateram palmas
E gritaram: – “Vá em frente.”
Mas o cachorro parou,
Disse: – “Obrigado, gente,
Mas falta ainda o morcego
Dizer o que ele sente.”

O morcego abriu as asas,
Deu uma grande risada
E disse: – “Eu sou o único
Que não posso dizer nada
Porque o homem pra nós
Tem sido até camarada.

Constrói castelos enormes
Com torre, sino e altar,
Põe cerâmica e azulejos
E dão pra gente morar
E deixam milhares deles
Nas ruas, sem ter um lar.”

O morcego bateu asas,
Se perdeu na escuridão,
O rato pediu a vez,
Mas não ouvi nada, não.
Peguei no sono e perdi
O fim da reunião.

Quando o dia amanheceu,
Eu desci do meu poleiro.
Procurei os animais,
Não vi mais nem o roteiro,
Vi somente umas pegadas
Debaixo do juazeiro.

Eu disse olhando as pegadas:
Se essa reunião
Tivesse sido por nós,
Estava coberto o chão
De piubas de cigarros,
Guardanapo e papelão.

Botei a maca nas costas
E saí cortando o vento.
Tirei a viagem toda
Sem tirar do pensamento
Os sete bichos zombando
Do nosso comportamento.

Hoje, quando vejo na rua
Um rato morto no chão,
Um burro mulo piado,
Um homem com um facão
Agredindo a natureza,
Eu tenho plena certeza:
Os bichos tinham razão.

33 comentários:

  1. Oi,
    Gostei muito do blog!
    Gostaría de pedir um favor: Se fosse possível me enviar "Uma dose de amor", pois já procurei aqui em Natal e não acho. Ou me informe onde posso encontrar.
    Meu email é marinaescossia1@hotmail.com.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui neste site: http://www.recantodasletras.com.br/audios/poesias/14062, valeu!

      Excluir
    2. proucura em cordeis

      Excluir
  2. Adorei o livro "Dez cordeis num cordel so", muito perfeito!
    Um dos livros sugeridos pelo colegio no qual estudo, o Colegio Menino Deus. Ano passado fizeram um trabalho com a turma do 3°ano Ensino Medio e neste ano vamos repetir a dose! E se Deus quiser Antonio Francisco estara conosco novamente afim, claro, de nos prestigiar e ser aplaudido tambem né? hehe

    ResponderExcluir
  3. oi gostei muito desta leitura
    esta leitura nos fais pensar
    quem realmente é inrracional
    o homem ou o animal.
    eu percebi com esta leitura
    que muitas vezes o animal
    inrracional é o próprio homem.
    Os animais só querem ser felizes
    mais vem o maldito homem e acaba
    com a felicidade deles.

    ResponderExcluir
  4. O poeta ao compor este belíssimo cordel foi de tamanha sabedoria. Que bela reflexão ele nos propõe. Quando o li para meus alunos, percebi nascer ali na sala de aula um encantamento pela poesia de Antonio Francisco. "Os sete constituintes", sem dúvida, permite aos leitores uma reflexão profunda acerca da ação do homem sobre a natureza.

    ResponderExcluir
  5. DANIEL - JANDUIS-RN13 de julho de 2008 05:55

    Estou encantado com a descoberta deste Blog, vai me ajudar em muito, eu que to gatinhando nesse mundo maravilho do cordel.

    ResponderExcluir
  6. Eu já apresentei essa poesia em forma de pessa de teatro em caraúbas no colégio êxito, eu fiz o papel de cobra, o narrador da peça teve a oportunidade de recitar com o ANTÔNIO FRANCISCO.
    Esse poema é muito interessante as vezes nós jugamos os animais pela aparência, mas os animais que nós devemos jugar mesmo são aqueles animais rracionais que a maioria deles ajem como se fossem animais irracionais.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom esse cordel !
    ele faz um relexão social do que o homem esta fazendo com a natureza !

    ResponderExcluir
  8. Antonio Francisco
    Você é o bruto em cordeis!!!

    ResponderExcluir
  9. alguem pode me ajudar e me falar onde vende esse livro?

    ResponderExcluir
  10. Profº Nina Carvalho Fonseca8 de setembro de 2009 04:53

    O mestre Antônio Francisco é uma autarquia na educação e cultura. Acho-o inteligente e sou fã número 1 dele. Estou fazendo um trabalho sobre a vida e a obra desse cordelista que é um fenômeno. Sou professora da Escola Municipal Profº Manoel Assis e convido-o a participar da culminância do mesmo que infelizmente não tem data definida, pois não depende só de mim. Até logo!

    ResponderExcluir
  11. os versos que antonio faz
    sao bençãos que vem do ceu
    é inpiração divina
    transmitida pro papel
    venho la de janduis
    antonio fico feliz
    quando leio seu cordel

    ResponderExcluir
  12. Antonio Francisco, amigo camarada que tive a honra de conhecer em Mossoró, por um outro tão grande amigo Kidelmir, que por saber que amo poesia de todo tipo e qualidade, apresentou-me Antonio Francisco e a sua simplicidade,um homem humilde e de personalidade que me deu o prazer de conhecer a sua criatividade, de fazer lindos cordeis para o povo daquela cidade! Parabéns pelo blog e por bela homenagem a esse artista inato que dar-nos a felicidade de encantar e divertir-nos com o seu trabalho e suas belas e inesqueciveís poesias. Um beijo a todos.

    ResponderExcluir
  13. nossa... ameii
    muito bom!
    fiz até um trabalho na escola sobre esse poema
    espetacular... bjinhos ♥

    ResponderExcluir
  14. Salizete Freire Soares24 de abril de 2010 18:36

    Esse antonio francisco
    é conhecido de todos
    com verso ele varre o mundo
    com prosa aproxima o céu
    com pose de viramundo
    é o nosso menestrel.

    Salizete

    ResponderExcluir
  15. Antonio Francisco, foi bom lhe conhecer aqui em Roraima. amei os cordeis que recitou lá no encontro de professores np CEFORR. Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Antonio Francisco, vi em sua casa e tive um prazer, êxito de conhecer seus trabalhos,sua vida simples e exemplar, moro em Brasília em Ceilâ
    ndia perto da casa do Cantador, cidade do seu amigo e também poeta Chico de Assis, parabéns por representar bem a cultura nordestina, do simples bardo, Israel Angelo

    ResponderExcluir
  17. Alem de ser excepicional isso é com certeza a maior verdade.

    Abraços,

    Manoel Júnior

    ResponderExcluir
  18. esse cara é simplesmente o show . e tenho muito orgulho de ter apresentado um texto dele que se chama os sete constituintes e apresentei mais ele na comunidade do sitio do gois.....
    ele é bom demais

    ResponderExcluir
  19. Sempre fui ligado a arte em geral e o cordel nao se faz diferente, ja tinha visto o texto de Antonio Francisco do qual fizemos uma peça com alunos. Hoje recorro ao poema mais uma vez, mas desta vez utilizando de forma a conscietizar sobre o mauq ue fazemos ao meio ambeinte e os animais retratam de forma ímpar o que nós realmente somos. No ESCAMBO que aocntecerá do dia 03 ao dia 07 de setembro na cidade de Lucrécia-RN irei trabaçhar neste foco para que nao sujemos o ambiente em que estamos trabalhando e teremos os palhaços da limpeza, mas eles nao irão limpar, mas sim de forma comica e consciente srerão fiscalizadores para ajudar a minimizar e/ou erradicar a produção de resisuos solidos durante os tres dias de evento, tendo coletores para separar o lixo. Uma forma divertida de trabalhar a educaçãoa ambiental nas pessoas...
    Parabens pelo blog...

    ResponderExcluir
  20. quais são os livros infantis, que antonio Francisco criou?

    ResponderExcluir
  21. amei coloquem mais por favor esse blog e otimo e muito naturalista

    ResponderExcluir
  22. Parabens por todos codeis mais faça um com o nome sabrina

    ResponderExcluir
  23. parabens belissimo trabalho suas hitorias me faz viajar no mundo dos sertons

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FICO MARAVILHADO E ORGULHOSO DE TER EM MOSSORÓ UM POETA DA GRANDESA E AUTENTICIDADE DE ANTÔNIO FRANCISCO,COM SUA HUMILDADE, SIMPLICIDADE E INTELIGÊNCIA PARA ESCREVER BELOS CORDÉIS QUE NOS FAZEM REFLETIR SOBRE O SER HUMANO. PARTICIPO DE UM GRUPO DE TEATRO QUE TRABALHA A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTALE TIVE A HONRA DE ADAPTAR ESSE CORDEL DOS ANIMAIS, CLARO, COM A AUTORIZAÇÃO DE ANTONIO FRANCISCO, COLOCANDO EM FOCO A QUESTÃO DA COLETA SELETIVA A DA IMPORTÂNCIA DE SE PRESERVAR O MEIO AMBIENTE. NÃO CONSIGO DISTIGUIR A DIFERENÇA ENTRE OS CORDÉIS DE ANTONIO E A SUA PESSOA,POIS, AMBOS SÃO MARAVILHOSOS. PARABÉNS ANTONIO FRANCISCO, SUAS OBRAS SERÃO IMORTALIZADAS POR TODOS OS SÉCULOS QUE AINDA VIRÃO.

      LAECIO FERNANDES(COORDENADOR DO GRUPO DE TEATRO DA ACREVI)

      Excluir
  24. gostei muito desse cordel vou apresentar tbm em meu sitio tenho certeza q todos vao adora como eu adorei.se tiver outro falando do dia das crianças me mandei por favor meu facebook= francinilsonpazeamorcorinthians@hotmail.com ou orkut= nilcin2010@gmail.com, ficarei muito agradescido se me ajudarem.

    ResponderExcluir
  25. Simplesmente fantástico! adorei! parabéns vc é um contador de cordel de mão cheia me orgulho de ser da mesma terra que você

    ResponderExcluir
  26. estou estdamo esse cordel e é demais

    ResponderExcluir
  27. Gostei do blog, sou cordelista e amo fazer poesias pois as poesia me fazem reviver a beleza das coisas simples valeu!!! ASS; CRISTIANO SOUZA

    ResponderExcluir
  28. onde posso encontrar os cordéis dele aqui em Mossoró ,to pensando em fazer minha monografia a respeito dos cordéis dele .

    ResponderExcluir
  29. PRIVILÉGIO É O NOSSO
    EM PODER PRESTIGIAR
    POEMAS DESSE POETA
    DE MENTE ESPETACULAR
    FAZENDO-NOS REFLETIR
    NO QUE ELE VEM FALAR

    EU QUERIA ACREDITAR
    QUE UM DIA A NAÇÃO
    VIESSE UM DIA A SER
    COMO CONTA A NARRAÇÃO
    DESSE POETA NOBRE
    QUE NOS CAUSA EMOÇÃO

    POIS NÃO FALTARIA AÇÃO
    PARA O BEM DA HUMANIDADE
    TODOS VIVERIAM EM PAZ
    COM GESTOS DE HUMILDADE
    RESPEITO E AJUDA MÚTUA
    E GRANDE FRATERNIDADE

    LAÉCIO FERNANDES (MOSSORÓ)

    ResponderExcluir