domingo, 1 de março de 2009

Mudanças no Blog



MUNDO CORDEL DE CARA NOVA

Os leitores mais assíduos e atentos devem ter percebido as mudanças de Mundo Cordel. As mais significativas foram a própria mudança do modelo, que, dentre outras coisas levou a barra lateral da esquerda para a direito e aumentou sua largura, permitindo maior mobilidade na inclusão de gadgets. Também incluí lista de seguidores e dei maior destaque aos vídeos. Espero que todos gostem das alterações.

Fecho o post deste domingo com a letra da música "Escravos do Sistema", de minha autoria, interpretada pelo Projeto Enxofre no vídeo acima.

ESCRAVOS DO SISTEMA

Falado: Não exija que eu tenha livre arbítrio. Não reclame se eu não tomo a decisão. E não me diga que você é que é forte, que você nunca temeu uma situação. Você reclama, achando que é independente, que você é diferente, que decide a sua sina. O que nós somos eu vou lhe dizer agora, por favor não fale nada antes que he chegue a hora.

Nós não temos o direito

De pensar nem de querer

Nem escolher nosso prazer.

Nós não podemos exercer nossa vontade,

Nós não temos nem vontade pra exercer.

Somos robôs, sujeitos alienados,

Animais domesticados, os escravos do sistema.

Representantes de uma classe em expansão

Que vê na televisão a solução pros seus problemas.

Nós não queremos nada! Não pensamos nada!

Ele pensa por nós!

Nós não queremos nada! Não pensamos nada!

O sistema, ele é quem manda em nós!

2 comentários:

  1. Holaaa:
    Te invito que visites mis blogs de fotos de mi pueblo, de España, de Italia y Francia:

    http://blog.iespana.es/jfmmzorita

    SALUDOS DESDE ESPAÑA

    ResponderExcluir
  2. Os desencontros da vida


    Eu já fui tudo na vida/
    Fui poeta e trovador/
    Nas serestas fui cantor/
    Tive uma vida florida
    Com mulheres preferidas/
    Fui bom moço e sedutor/
    Dando carinho e amor/
    Mas hoje tudo é ao invés/
    Já fui tudo que tu és/
    Hoje nem sei quem eu sou. /

    A vida dar muitas voltas/
    Giro que vai, mas não vem/
    Pra trazer quem quero bem/
    É isto que dar revolta/
    Felicidade não brota/
    É tudo fora do passo/
    Por isto tudo é fracasso/
    Parece até um azar/
    Sós mágoas pra lamentar/
    Quero chorar e não posso. /

    Não grito porque não posso/
    Pra chorar não tenho lágrimas/
    Já me afoguei nas mágoas/
    Nem pra correr tenho passos/
    Tudo que fiz, já não faço/
    Minha vida é de aflição
    Nem mesmo tenho emoção/
    Só me resta ansiedade/
    No silêncio da saudade/
    Só quem fala é o coração. /





    Monteiro, 06/06/2008.

    //Anizio
    //Azsantos

    ResponderExcluir