quarta-feira, 3 de outubro de 2007

A técnica de fazer cordel II



A MÉTRICA NA ELABORAÇÃO DA POESIA DE CORDEL (2ª Parte)


Prosseguindo em nossos estudos sobre a técnica do cordel, vejamos os gêneros destacados pela Academia Brasileira de Literatura de Cordel – ABLC. São eles:



Parcela ou Verso de quatro sílabas
- O mais curto conhecido na literatura de cordel. Observemos que o exemplo abaixo forma uma obra de dez pés.
Eu sou judeu
para o duelo
cantar martelo
queria eu
o pau bateu
subiu poeira
aqui na feira
não fica gente
queimo a semente
da bananeira.

Verso de cinco sílabas
- Já citada na referência a Leonardo Mota, chamada redondilha menor. O exemplo dado pela ABLC é um trecho da peleja do Cego Aderaldo com Zé Pretinho do Tucum, da autoria de Firmino Teixeira do Amaral. Nele percebe-se nitidamente que a métrica de Aderaldo era melhor que a de Zé Pretinho:

Pretinho:
no sertão eu peguei
um cego malcriado
danei-lhe o machado
caiu, eu sangrei
o couro tirei
em regra de escala
espichei numa sala
puxei para um beco
depois dele seco
fiz dele uma mala.

Cego:
Negro, és monturo
Molambo rasgado
Cachimbo apagado
Recanto de muro
Negro sem futuro
Perna de tição
Boca de porão
Beiço de gamela
Venta de moela
Moleque ladrão .

Estrofes de quatro versos de sete sílabas – Modalidade que evoluiu para a estrofe de seis versos, ou sextilha:

O Mergulhão quando canta
Incha a veia do pescoço
Parece um cachorro velho
Quando está roendo osso.

Sextilhas – Com estrofes de seis versos de sete sílabas, segundo a ABLC, “a modalidade mais rica, obrigatória no início de qualquer combate poético, nas longas narrativas e nos folhetos de época. Também muito usadas nas sátiras políticas e sociais. É uma modalidade que apresenta nada menos de cinco estilos: aberto, fechado, solto, corrido e desencontrado”. Essas variações, entretanto, dizem respeito à rima, razão pela qual não transcreverei os exemplos aqui. Mas estão todos à disposição do leitor no site da ABLC. Um exemplo da forma mais tradicional de sextilha:

Meu avô tinha um ditado
meu pai dizia também:
não tenho medo do homem
nem do ronco que ele tem
um besouro também ronca
vou olhar não é ninguém.
Setilhas – Já descrita como “obra de sete pés”:

Vamos tratar da chegada
quando Lampião bateu
um moleque ainda moço
no portão apareceu.
- Quem é você, Cavalheiro -
- Moleque, sou cangaceiro -
Lampião lhe respondeu.

- Não senhor - Satanás, disse
vá dizer que vá embora
só me chega gente ruim
eu ando muito caipora
e já estou com vontade
de mandar mais da metade
dos que tem aqui pra fora.

Ainda segundo a ABLC, “esta modalidade é, também, usada em vários estilos de mourão, que pode ser cantado em seis, sete, oito e dez versos de sete sílabas”. Exemplos:

Cantador A- Eu sou maior do que Deus
maior do que Deus eu sou

Cantador B - Você diz que não se engana
mas agora se enganou
Cantador A - Eu não estou enganado
eu sou maior no pecado
porque Deus nunca pecou.

Ou com todos os versos rimados, a exemplo das sextilhas explicadas antes:

Cantador A -Este verso não é seu
você tomou emprestado
Cantador B - Não reclame o verso meu
que é certo e metrificado
Cantador A -Esse verso é de Noberto
Se fosse seu estava certo
como não é está errado.
Oito pés de quadrão ou Oitavas – Estilo também já citado, feito de estrofes de oito versos de sete sílabas:

Diga Deus Onipotente
Se é você, realmente
Que autoriza, que consente
No meu sertão tanta dor
Se o povo imerso no lodo
apregoa com denodo
que seu coração é todo
De luz, de paz e de amor.

Décimas – Já apresentados aqui como”dez pés em quadrão”:
Eram doze cavalheiros
Homens muito valorosos
Destemidos, corajosos
Entre todos os Guerreiros
Como bem fosse Oliveiros
um dos pares de fiança
Que sua perseverança
Venceu todos os infiéis
Eram uns leões cruéis
Os doze pares de França.
Martelo Agalopado – Gênero também citado no post anterior, o Martelo agalopado, estrofe dez versos de dez sílabas, é uma das modalidades mais antigas na literatura de cordel. Segundo o site da ABLC. “as martelianas não tinham, como o nosso martelo agalopado, compromisso com o número de versos para a composição das estrofes. Alongava-se com rimas pares, até completar o sentido desejado. Como exemplo, vejamos estes alexandrinos”:

"Visitando Deus a Adão no Paraíso
achou-o triste por viver no abandono,
fê-lo dormir logo um pesado sono
e lhe arrancou uma costela, de improviso
estando fresca ficou Deus indeciso
e a pôs ao Sol para secar um momento
mas por causa, talvez dum esquecimento
chegou um cachorro e a carregou,
nessa hora furioso Deus ficou
com a grande ousadia do animal
que lhe furtara o bom material
feito para a construção da mulher,
estou certo, acredite quem quiser
eu não sou mentiroso nem vilão,
nessa hora correu Deus atrás do cão
e não podendo alcançar-lhe e dá-lhe cabo
cortou-lhe simplesmente o meio rabo
e enquanto Adão estava na trevas
Deus pegou o rabo do cão e fez a Eva."

O estilo caiu no esquecimento, com o desaparecimento do seu criador, professor Jaime Pedro Martelo, em 1727, até que em 1898, José Galdino da Silva Duda deu “à luz feição definitiva ao nosso atual martelo agalopado, tão querido quanto lindo. Pedro Bandeira não nos deixa mentir”:

Admiro demais o ser humano
que é gerado num ventre feminino
envolvido nas dobras do destino
e calibrado nas leis do Soberano
quando faltam três meses para um ano
a mãe pega a sentir uma moleza
entre gritos lamúrias e esperteza
nasce o homem e aos poucos vai crescendo
e quando aprende a falar já é dizendo:
quanto é grande o poder da Natureza.

Há, também, o martelo de seis versos:

Tenho agora um martelo de dez quinas
fabricado por mãos misteriosas
enfeitado de pedras cristalinas
das mais raras, bastante preciosas,
foi achado nas águas saturninas
pelas musas do céu, filhas ditosas.

Galope à Beira Mar
– “Com versos de onze sílabas, portanto mais longos do que os de martelo agalopado, são os de galope à beira mar, como estes da autoria de Joaquim Filho”:

Falei do sopapo das águas barrentas
de uma cigana de corpo bem feito
da Lua, bonita brilhando no leito
da escuridão das nuvens cinzentas
do eco do grande furor das tormentas
da água da chuva que vem pra molhar
do baile das ondas, que lindo bailar
da areia branca, da cor de cambraia
da bela paisagem na beira da praia
assim é galope na beira do mar.

Meia Quadra - Outra interessante modalidade é a Meia Quadra ou versos de quinze sílabas:

Quando eu disser dado é dedo você diga dedo é dado
Quando eu disser gado é boi você diga boi é gado
Quando eu disser lado é banda você diga banda é lado
Quando eu disser pão é massa você diga massa é pão
Quando eu disser não é sim você diga sim é não
Quando eu disser veia é sangue você diga sangue é veia
Quando eu disser meia quadra você diga quadra e meia
Quando eu disser quadra e meia você diga meio quadrão.

Só os exemplos relacionados neste post e no anterior, já mostram o quão variadas são as formas utilizadas pela Literatura de Cordel. Mas há outras, que ainda pretendo mencionar.

Por enquanto, chamo a atenção para o fato de que a formação de cada um desses gêneros depende essencialmente do manuseio de três variáveis: o emparelhamento das rimas (do que pretendo falar em outra oportunidade), a quantidade de sílabas em cada verso e a quantidade de versos em cada estrofe.

Aqui me valho, mais uma vez, da lição de Zé Maria de Fortaleza para esclarecer que verso é cada uma das linhas de um poema, enquanto estrofe é “um grupo de versos de um trabalho poético, em geral com sentido completo” (Acorda Cordel na Sala de Aula, p. 36).

Assim, combinando quantidade de sílabas em uma linha e quantidade de linhas em uma estrofe, vimos que são usados versos de cinco sílabas em estrofes de seis, sete, oito ou dez linhas, o mesmo ocorrendo com os versos de sete, dez ou onze sílabas.

Com relação à quantidade de sílabas em um verso, as variedades mais comuns são a redondilha maior – sete sílabas – e a redondilha menor – cinco sílabas, embora a forma preferida dos cantadores seja, sem dúvida, o decassílabo (dez sílabas), utilizada no martelo agalopado, considerado por muitos o vestibular do cantador. Os versos de onze sílabas do galope à beira-mar também tem o seu charme, e dão um ritmo bem interessante na execução, seja cantada ou declamada.

Penso que o domínio da métrica é um dos aspectos mais importantes na elaboração de um cordel, pois, como diz Arievaldo Viana:

Cordel desmetrificado
Não dá pra ler em voz alta.
Tem hora que sobra métrica,
Tem hora que a rima falta,
Inda tem pesquisador
Com diploma de doutor
Que esse mau “cordel” exalta.

E não é só uma questão de respeitar a métrica, pra não deixar o cordel de “pé quebrado”. O bom cordelista, assim como o bom cantador repentista, deve ter a capacidade de elaborar sua poesia na maior variedade possível de estilos, por pelo menos dois motivos. Primeiro, para dar à poesia um ritmo adequado ao tema que está sendo tratado.

Por exemplo, a redondilha menor funciona melhor para narrativas mais rápidas, enquanto a redondilha maior permite uma abordagem mais cadenciada. Vejamos, a seguinte estrofe, de minha autoria, em redondilha menor, narrando uma situação na qual um marido traído tenta matar a mulher, no meio de uma feira, e um tenente da polícia tenta impedi-lo:

O cabra valente
Puxou a pexeira,
No meio da feira,
Gritou pro tenente:
- Não fique na frente
Que você se fura!
Essa criatura
Agora me paga.
Hoje ela se apaga
Ninguém me segura.

A mesma narração poderia ser feita em redondilha maior, mas tem-se a impressão de que tudo está acontecendo mais lentamente:

O cabra era valente
E puxou logo a peixeira
Ali, no meio de feira,
Gritou para o tenente:
- Não fique na minha frente
Ou então você se fura!
Hoje essa criatura,
O que me deve me paga
Ela agora se apaga
Ninguém aqui me segura!

O segundo motivo pelo qual é importante variar de estilo, é não cansar o leitor ou o espectador. Quando um autor sempre escreve em sextilhas, só em ver a capa do folheto, o leitor já sabe como serão os versos, e isso o desvaloriza. Se os cordéis são reunidos em um livro, a repetição de um único estilo fica ainda mais entediante. Nas apresentações em declamações e cantorias – e agora, com a proliferação de CD’s de cordel – a variação de estilos ganha ainda mais importância, pois ficaria monótono ouvir todo um CD em sextilhas ou setilhas.

Por aqui encerro este post, cujo assunto ainda está por concluir, e logo devo voltar a ele, para falar da contagem das sílabas e de outros estilos, como o “martelo perguntado”.

Veja também: A técnica de fazer cordel (1ª parte)

23 comentários:

  1. Com certeza em breve estarei postando mais comentários por aqui. abraços Andréa

    ResponderExcluir
  2. O que é cordel eu sei mais eu queriia saber como fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem videos no youtube meu amor ♥

      Excluir
  3. me too ... pou.. a professoria podia ter pedido algo mais facil.. q tivesse no wikipedia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E QUEM PRECIZA DE WIKIPEDIA ?

      Excluir
    2. voce que nao sabe nem escrever a palavra ''precisar'' ♥

      Excluir
  4. EU QUERO SABER COMO FAZER UMA POESIA DE CORDEL!!!! E TAMBEM AS REGRAS DE RIMA !!!
    ^.^

    ResponderExcluir
  5. eu quero saber e como eu coloco os versos para rimar quando pode colocar tais palavras quando não pode é isso.Desde já obrigada

    ResponderExcluir
  6. Sou completamente leigo no assunto, mas doido pra aprender a fazer cordel. Essas aulas são ótimas,mas ainda não entendi como contar as sílabas, pois quando tento fazê-lo quase sempre superam o número indicado. Já que se está tratando de ensinar a fazer cordel seria interessante que a matéria fosse tratada passo a passo para os leigos. Um grande abraço. Antônio Silva. Recife (PE).

    ResponderExcluir
  7. Ao tocar no nome Deus,
    Muito se tem que pensar...
    Ousadia nenhuma nos deu,
    Mas sim poder para raciocinar.
    Cabe agora o cabra não querer
    Naquilo que não sabe, se meter.
    Lá do alto há alguém que tudo sabe,
    Aqui embaixo ainda há o leigo e insensato
    Que sem uso da sabedoria a tudo invade
    Sem buscar na fonte certeza pro seu ato.

    ResponderExcluir
  8. Quando falamos em Deus
    Dele conhecemos bem
    Com verdade e pouco engano
    Trazendo isso tambem
    Acredito na certeza
    E tambem na esperteza
    De quem fala do além
    Que são os nobres poetas
    No nosso sertão são profetas
    Não submissos a ningúem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. renato essas rimas estao erradas!
      voce se deu bem, mas o termo Deus no comeco foi o que estragou seu poema pois nao rimou com menhuma das palavras ☻...

      Excluir
  9. sou completamente leiga, mas estou ajudando meu filho numa pesquisa sobre a literatura de cordel e não encontrei uma definição mais precisa sobre o que é métrica.

    ResponderExcluir
  10. Maria das Graças,
    Como já escrevi na "Técnica de fazer cordel (1ª parte), métrica "é a medida das sílabas de cada verso, em determinado gênero".
    Mas, lembre: a contagem das sílabas é de sílabas poéticas e não sílabas gramaticais.

    ResponderExcluir
  11. Dandara conheci um escritor de cordel,fiquei super enteressada.Espero ser tão talentosa em escrever cordel como vocês.

    ResponderExcluir
  12. Não sou poeta
    Nem sei fazer
    Poesia, por isso;
    Só faço porcaria
    O que devo fazer?
    Para ter prazer.

    Adão de Sousa Lina
    sp

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Voçe devia ter respeit por si mesmo.

      Excluir
  13. Presciso fazer um cordel sobre a cultura nordestina. Preciso de ajuda.

    ResponderExcluir
  14. Sei o que é cordel, quero saber como fazer um /z

    ResponderExcluir
  15. Gente tenho que criar um cordel sobre a independênicia da Bahia e mas não consigo me ajudem. SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOORRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRROOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  16. Já fiz os versos, só falta imprimir..
    mas não se qual fonte usar, era isso que queria saber..

    ResponderExcluir
  17. Neguinho.
    no sertão eu peguei
    um velho mau criado
    danei-lê no espinhaço
    um ferro afiado
    caio eu matei
    o pescoço eu cortei
    enganchei numa vara com a ponta afiada
    e fiz dele uma caça ...
    eu acho que aprendiiii

    ResponderExcluir
  18. preciso de fazer um poema estilo cordel, é para semana que vem.
    preciso de uma ajuda urgente, para a faculdade na segunda (04/03/2014)...
    o tema é vaidade, qualquer ajudinha eu agradeço

    ResponderExcluir