quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Literatura de cordel e educação


ARIEVALDO VIANA E O CORDEL NA SALA DE AULA

Li, semana passada, o cordel
“O Jumento Melindroso Desafiando a Ciência”, do poeta cearense Arielvaldo Viana. Bom demais!
Aliás, já faz um bocado de meses que não tenho contato Arievaldo. Cabra bom.
Pra quem não conhece ainda, sua minibiografia está no site da
Academia Brasileira de Literatura de Cordel, e diz o seguinte: “Poeta popular, radialista e publicitário, nasceu em Fazenda Ouro Preto, Quixeramobim-CE, aos 18 de setembro de 1967. Desde criança exercita sua verve poética, mas só começou a publicar seus folhetos em 1989, quando lançou, juntamente com o poeta Pedro Paulo Paulino, uma caixa com 10 títulos chamada Coleção Cancão de Fogo. É o criador do Projeto ACORDA CORDEL na Sala de Aula, que utiliza a poesia popular na alfabetização de jovens e adultos. Em 2000, foi eleito membro da ABLC, na qual ocupa a cadeira de nº 40, patronímica de João Melchíades Ferreira. Tem cerca de 50 folhetos e dois livros públicados: O Baú da Gaiatice e São Francisco de Canindé na Literatura de Cordel”.
Segundo Arievaldo, “Patativa não era analfabeto”, ao contrário, “tinha influências de Castro Alves, Gonçalves Dias, Camões e outros poetas eruditos, que sempre leu com freqüência” (
entrevista em janeiro deste ano para www.overmundo.com.br).
O projeto ACORDA CORDEL NA SALA DE AULA é um exemplo fantástico da integração escola-cultura. Seguem as primeiras estrofes da “Introdução em Versos”:

NEM MATUTO, NEM ERUDITO
ACORDA CORDEL NA SALA DE AULA

Para quem ama o cordel
Porém só vê poesia
Nessa linguagem matuta
Pru quê, pru mode, pru via,
Tendo o sertão como tema
Pode esquecer meu poema
Bater noutra freguesia.

Pois eu procuro escrever
Num correto português.
E se acaso eu errar
Duas palavras ou três
Não foi por querer errar,
Foi procurando acertar,
Isso eu garanto a vocês.

O cordel é um veículo
De grande penetração.
Nas camadas populares
Possui grande aceitação.
Se a métrica não quebra o pé,
Tem contribuído até
Para alfabetização.

Eu vejo grande beleza
Nos versos de Patativa,
De Zé da Luz, de Catulo...
É arte que me cativa,
Mas se usá-la na escola
A língua do aluno enrola
Do entendimento lhe priva.

Pois o cordel sendo usado
Para ALFABETIZAÇÃO
Deve respeito à linguagem
Corrente em nossa nação.
Não deve ensinar errado,
Nem pode ser embalado
Nas plumas da erudição.

11 comentários:

  1. muito legal esse site me ajudou muito!!

    ResponderExcluir
  2. muito legal me ajudou muito!!

    ResponderExcluir
  3. legal!!!me ajudou até d mais!!!brigaduuuu"""" by:leticia

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito desse Soneto publicado no Grande Ponto e sou muito fã desse primoroso Blog. Felicitações.

    Jairo.

    ResponderExcluir
  5. brigado me ajudou ate demais

    ResponderExcluir
  6. como eu faço o codel sobre a escola

    ResponderExcluir
  7. Acho que o professor nao pode simplesmente dizer para o aluno fazer um cordel.
    Se os professores querem que os alunos aprendam um pouco mais sobre como se faz um cordel, devem convidar um cordelista para fazer uma oficina de cordel na sala de aula. Tem muitos cordelistas fazendo esse trabalho.
    Aqui, voce encontrara mais detalhes sobre como fazer um cordel na pagina A TECNICA DO CORDEL, ou procure no Google "como fazer cordel".

    ResponderExcluir
  8. Nossa ! realmente muito bonita!!!

    ResponderExcluir
  9. gostaria muito de um cordel com o tema minha escola meu lar

    ResponderExcluir